Sempre ligado no jogo, o tempo todo pronto para ser acionado e capaz de protagonizar um lance de gênio a qualquer momento. Quando observamos Mario Götze em campo na Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014, imediatamente fica claro que ele se sente muito confortável no gramado. O habilidoso jogador alemão, que desde muito cedo começou a ser descrito no seu país como o talento do século, está no caminho certo no Brasil para conquistar fama de craque também no cenário internacional.
Na impressionante goleada da Alemanha por 4 a 0 na estreia contra Portugal, o jogador de 22 anos foi continuamente um fator de imprevisibilidade para os seus adversários. E a sua criatividade no gramado parece ser proporcional à sua tranquilidade, refletindo muito bem o espírito renovado da equipe de Joachim Löw.
Confiante, mas mantendo a humildade
"Esses três pontos foram importantes, mas não ganhamos nada ainda", afirmou Götze em entrevista ao FIFA.com, mostrando que tem os pés no chão e é muito maduro para a sua idade. "Não podemos exagerar a importância da nossa atuação porque muitas coisas simplesmente deram certo para nós. Em várias situações simplesmente demos sorte."
Possivelmente Götze faz bem em não elevar desnecessariamente as já grandes expectativas em relação à seleção alemã antes do seu segundo jogo pelo Grupo G, contra Gana. Desde o último título mundial conquistado pela Alemanha, na Itália 1990, o país conseguiu apenas duas vitórias e três empates na segunda rodada dos Mundiais que disputou. Na África do Sul 2010, o selecionado germânico acabou sendo derrotado pela Sérvia e entrou precisando vencer a qualquer custo o terceiro jogo contra Gana.
"Não será fácil porque os ganeses precisam de qualquer jeito ganhar os três pontos", declarou o jovem astro do Bayern de Munique. "Precisaremos trabalhar duro. Mas podemos entrar com confiança." 
Para Joachim Löw, Götze é uma opção interessante para começar como titular mesmo contra os fortes africanos. "Quando a situação fica apertada, o Mario é um jogador que sabe exatamente o que fazer contra zagueiros grandes", disse o treinador alemão depois do jogo contra a seleção portuguesa.
Jogo com dupla mentalidade
A palavra de ordem para Götze é racionalidade. O jogador, que é filho de um professor de tecnologia, costuma ser muito espontâneo quando está na cara do gol adversário, mas de modo geral ele prefere adotar uma mentalidade de dar um passo de cada vez. "Este é um torneio de poucos jogos, então vamos procurar disputar cada um deles com um alto grau de concentração", analisou.
Tedioso? Repetitivo? De jeito nenhum! Götze não fala isso por falar, ele realmente acredita. "Nestas condições, é importante jogar um futebol racional, permanecer concentrado e impor o nosso estilo de jogo", comentou. A goleada por 4 a 0 — mesmo resultado da estreia na África do Sul 2010 contra a Austrália — mostra que o habilidoso alemão de 1,71 metro de altura tem razão. E de tedioso o novo estilo ofensivo alemão não tem nada.
"É muito importante que todos os espaços estejam ocupados e nos movimentemos sempre no momento certo", comentou. "Todos precisam saber o que devem fazer em campo." Após essas palavras, Götze deu um sorriso que deixou transparecer toda a sua confiança. Aparentemente, ele terá muitas oportunidades de mostrar a sua qualidade para todo o planeta na Copa do Mundo.